O que é um mapa astral? Entenda mais sobre esse guia da astrologia.

Um mapa astral (mapa natal) é a fotografia do céu no momento que o indivíduo nasce. A leitura de um mapa é o entendimento das correlações simbólicas do macrocosmo com o microcosmo. Pelo racíocinio astrológico existe uma conexão entre os eventos da natureza e seu estado psicológico e emocional.

Na leitura de um mapa o símbolo é o material de trabalho. Junto com o cliente o astrólogo adentra as correlações sincrônicas que se desdobram nas potencialidades de cada indivíduo. O mapa é uma ferramenta de autoconhecimento preciosa, um degrau rumo a compreensão de si e do mundo. A astrologia nos ensina que existe uma harmonia e simetria no universo e que todos são parte de um Todo.

A astrologia ajuda a explicar a vida mais do que prevê-la. Trata de correspondências estruturais, a estrutura é determinada mas somos livres em seu desenvolvimento. Quando se estuda astrologia  percebe-se uma forte coerência sistêmica. O estudo do mapa natal pode ser relacionado com uma viagem. Podemos ir com mapa ou sem mapa, sem mapa pode ser igualmente repleto de riquezas. Entretanto, o mapa aponta caminhos fluídos e caminhos mais turbulentos.

É certo que saber sobre a fluidez e a turbulência, em si, não te desvencilha das frustrações da caminhada. A leitura de um mapa ocorre no nível mental, enquanto um mapa fala de processos de padrões psíquicos que estão além do nível de controle da nossa racionalização. A resolução dos conflitos de uma vida demandam um mergulho interno, mudanças de hábitos, transformações nos padrões mentais/emocionais, assim como fundamentalmente um desejo ardente de auto-superação.

A astrologia é uma ferramenta mas não uma salvação. A astrologia pela astrologia pode tornar-se uma ferramenta de racionalização da vida que te desvencilha da transformação da vivência. A astrologia apazigua nossas dores na medida que demarca nossa conexão com a totalidade e nos devolve o sentimento de unidade que as frustrações da vida nos retira.

A astrologia demarca as conexões mas não resolve a vida. Como qualquer ferramenta pode ajudar ou atrapalhar dependendo do uso que se faz. Observar os caminhos com distanciamento da jornada é um processo que se torna cada dia mais precioso, em meio a tanta correria que a vida nos impõe. Podemos nos guiar pelo céu e aproveitar a ferramenta dentro das limitações que apresenta. “Homem conhece-te a ti mesmo” era o que estava escrito na porta do Oráculo de Delfos, a astrologia, baila nesse processo, nos impulsiona nesse mergulho que os gregos já estavam nos ressaltando lá atrás.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *